Idosos e doenças cardiovasculares: o papel da alimentação

Qual a influência dos hábitos alimentares de idosos na prevenção de doenças cardiovasculares? Interessados na resposta, os pesquisadores Sabrina Dalbosco Gadenz e Luís Antônio Benvegnú investigaram os hábitos de 212 idosos hipertensos. “As doenças cardiovasculares são a principal causa de morte e incapacidade em idosos”, destacam.

Os resultados estão no estudo “Hábitos alimentares na prevenção de doenças cardiovasculares e fatores associados em idosos hipertensos”, e sugerem os idosos hipertensos estão encontrando dificuldade para adotar hábitos alimentares saudáveis. “Os hábitos alimentares saudáveis dos idosos hipertensos avaliados estão aquém daqueles preconizados”, afirmam os pesquisadores, apontando que no Brasil tem-se observado que a dieta vigente apresenta maior participação de alimentos com excesso de calorias provenientes de açúcares livres e de gorduras saturadas e menor presença de frutas, legumes e verduras.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) e a American Heart Association (AHA), ressalta o estudo, definiram estratégias para redução do risco de doenças cardiovasculares. “Entre elas, está a adoção de uma alimentação rica em frutas e vegetais, dando preferência aos grãos integrais, alimentos ricos em fibras, peixes, carnes magras e produtos lácteos com baixo teor de gordura”, afirmam os pesquisadores, destacando a importância de também diminuir a ingestão de açúcar e preferir alimentos com pouco sal.

Questões de hábito e o preço dos alimentos foram algumas das justificativas para que os idosos não seguissem a alimentação recomendada. Além disso, a maioria dos entrevistados não fazia pelo menos cinco refeições por dia, apesar de esta ser a recomendação do Manual do Idoso do Ministério da Saúde. “Fazer refeições de maneira irregular tem sido associado ao aumento de fatores de risco cardiovascular em idosos”, destacam os pesquisadores.

Texto escrito por Silvana Schultze, do blog www.meunomenai.com

Para conhecer o estudo completo, acesse o link:http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232013001200009&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt

Se você gostou deste texto, poderá gostar também de:

http://meunomenai.com/2014/01/01/queda-entre-idosos-a-influencia-de-fatores-socioambientais/

http://meunomenai.com/2013/10/04/programa-de-reabilitacao-de-memoria-reduz-queixas-e-melhora-humor-de-idosos/

http://meunomenai.com/2013/07/18/life-span-e-marco-no-estudo-do-envelhecimento/

http://meunomenai.com/2013/06/29/eupaciente-site-reune-pessoas-com-mesmas-doencas-para-troca-de-experiencias/

http://meunomenai.com/2013/06/25/atendimento-fonoaudiologico-gratuito-e-a-baixo-custo-em-sao-paulo/

 

Share this:

 

Queda entre idosos: a influência de fatores socioambientais

Idosos que votam, participar de atividades sociais e têm curso superior podem reduzir suas chances de quedas. Ao mesmo tempo, a confiança que idosos depositam em suas cidades é determinante em suas relações sociais e interações cotidianas, e podem ampliar sua vida urbana, oferecendo-lhes um envelhecimento ativo. É o que destaca o estudo “Fatores socioambientais associados à ocorrência de quedas em idosos”.

Segundo o estudo, quedas entre idosos geralmente são associadas a aspectos físicos e comportamentais, mas variáveis socioambientais também teriam participação. Os autores, Gustavo Nunes Pereira; Patricia Morsch; Diene Gomes Colvara Lopes; Margarete Diprat Trevisan; André Ribeiro; Joel Hirtz do Nascimento Navarro; Denielli da Silva Gonçalves Bós; Miriam Souza dos Santos Vianna; Ângelo José Gonçalves Bós, do Instituto de Geriatria e Gerontologia da PUC-RS, destacam que as quedas são os acidentes mais freqüentes entre idosos, podendo resultar em falecimento, e que o envelhecimento ocorre de forma mais rápida em países como o Brasil.

Os idosos que participaram do estudo foram agrupados por faixa etária (de 60 a 90 anos), e os pesquisadores investigaram fatores como gênero, escolaridade, se o idoso saiu de casa na última semana, percepção de locais públicos quanto à segurança, iluminação, presença de degraus e falta de bancos públicos, uso de órtese para locomoção, participação em atividades comunitárias (organizadas pela prefeitura, igreja, entre outros) e sociais (festas, shows, bailes e outros eventos festivos), conversa com amigos, participação em trabalho remunerado nos últimos seis meses e participação cívica do idoso (voto na última eleição).

O estudo destaca que, destes fatores, apenas as variáveis independentes chamadas de percepção de muitos degraus em locais públicos, frequência com queo idoso conversa com amigos e sua participação em trabalho remunerado não foram significativamente associadas com quedas no último ano.

Idosos do sexo masculino apresentaram uma proteção de 21% para ocorrência de quedas, e os idosos com nível superior apresentaram uma proteção de 50% para o desfecho quando comparados com aqueles apenas alfabetizados. Idosos necessitados de acessórios de auxílio para marcha apresentaram cerca de 4 vezes mais chance de sofrer queda.

Os idosos que participavam de atividades sociais tiveram proteção de 20% para quedas, e os que votaram nas últimas eleições apresentaram uma chance 36% menor de cair.

Texto escrito por Silvana Schultze, do blog www.meunomenai.com

Para conhecer o estudo completo, acesse o link: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232013001200007&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt

Se você gostou deste texto, poderá gostar também de:

http://meunomenai.com/2013/12/02/atividades-avancadas-diarias-diminuem-risco-de-morte-e-valorizam-idosos-3/

http://meunomenai.com/2013/10/04/programa-de-reabilitacao-de-memoria-reduz-queixas-e-melhora-humor-de-idosos/

http://meunomenai.com/2013/07/18/life-span-e-marco-no-estudo-do-envelhecimento/

http://meunomenai.com/2013/06/29/eupaciente-site-reune-pessoas-com-mesmas-doencas-para-troca-de-experiencias/

http://meunomenai.com/2013/06/25/atendimento-fonoaudiologico-gratuito-e-a-baixo-custo-em-sao-paulo/

Atividades avançadas diárias diminuem risco de morte e valorizam idosos

 

Atividades como ir à igreja, fazer viagens curtas e ir a reuniões sociais são consideradas atividades avançadas para idosos, e se feitas diariamente podem levar a uma velhice bem-sucedida. É o que aponta o estudo “Envolvimento social e suporte social percebido na velhice”.

A pesquisa, conduzida por Anita Liberalesso Meri e Ligiane Antonieta Martins Vieira, entrevistou cerca de 1.450 idosos e destaca que as atividades avançadas diárias permitem que os idosos sejam vistos e valorizados em termos sociais, físicos e intelectuais, entre outros. “A manutenção de atividades avançadas de vida diária de natureza social, de lazer, cultural, organizacional e política indica motivação para relações sociais, integração social e produtividade, elementos que integram o conceito de velhice bem-sucedida”, destacam as pesquisadoras.

Além disso, o estudo conclui que as atividades avançadas diárias estão relacionadas à diminuição do risco de morte, ao bem-estar emocional e à redução de sintomas depressivos, entre outros benefícios.

Texto escrito por Silvana Schultze, do blog www.meunomenail.com

Para conhecer o estudo completo, acesse o link: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-98232013000300002&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt

Se você gostou deste texto, poderá também gostar de:

http://meunomenai.com/2013/10/04/programa-de-reabilitacao-de-memoria-reduz-queixas-e-melhora-humor-de-idosos/

http://meunomenai.com/2013/07/18/life-span-e-marco-no-estudo-do-envelhecimento/

http://meunomenai.com/2013/06/29/eupaciente-site-reune-pessoas-com-mesmas-doencas-para-troca-de-experiencias/

http://meunomenai.com/2013/06/25/atendimento-fonoaudiologico-gratuito-e-a-baixo-custo-em-sao-paulo/