Sistema TEACCH: terapia e educação de crianças autistas

  O sistema TEACCH (sigla do nome em inglês, Treatment and Education of Autistic and Related Communication Handicapped Children) utiliza currículos fortemente estruturados e limites para manter autistas em suas tarefas, concentrados na aula. Os horários de aula são personalizados para cada criança e utilizam os pontos fortes do autista como reforço durante todo oContinue a ler “Sistema TEACCH: terapia e educação de crianças autistas”

Educação de crianças autistas

Análise de Comportamento Aplicado é um método de disciplina que pode ser adotado por educadores de crianças autistas. O método utiliza sinais encontrados ao redor do autista para influenciar comportamentos adequados ao ambiente escolar. Primeiramente, o educador procura descobrir quais os disparadores de comportamentos negativos do autista, e também o que acontece antes e depois.Continue a ler “Educação de crianças autistas”

Aprendizagem de autistas: eficácia da estratégia aumenta habilidade para comportamentos mais complexos

Muitos pais de autistas consideram o desenvolvimento social o principal ganho de seus filhos aos freqüentarem a escola, seja regular ou especial. Com o direcionamento de autistas para escolas regulares, porém, aumenta a exposição desses alunos aos conteúdos acadêmicos tradicionais. Interessada no processo de aprendizagem dos conceitos de adição e subtração por autistas, a pesquisadoraContinue a ler “Aprendizagem de autistas: eficácia da estratégia aumenta habilidade para comportamentos mais complexos”

Quase metade de crianças autistas que não falaram até os cinco anos poderão falar com fluência mais tarde

O fato de uma criança autista não falar entre os quatro ou cinco anos não significa que ela nunca irá falar, como receiam alguns pais. Estudo publicado na revista Pediatrics verificou que 70% de crianças e adolescentes entre 8 e 17 anos que não falavam aos quatro anos desenvolviam-se a ponto de utilizar frases simples,Continue a ler “Quase metade de crianças autistas que não falaram até os cinco anos poderão falar com fluência mais tarde”

Altas habilidades/superdotação: invisibilidade é resultado de estigma e falta de informação da sociedade e de docentes

O atendimento educacional especializado para alunos com altas habilidades/superdotação na Educação Básica é hoje uma realidade legalmente consolidada, que precisa ser implementada e surtir efeitos concretos nos encaminhamentos pedagógicos. Esta é a posição das pesquisadoras Susana Graciela Pérez Barrera Pérez e Soraia Napoleão Freitas. “Os alunos com Altas Habilidades/Superdotação (AH/SD) constituem uma parcela importante daContinue a ler “Altas habilidades/superdotação: invisibilidade é resultado de estigma e falta de informação da sociedade e de docentes”

Educação científica e inclusão escolar

O subsídio à formação continuada dos professores universitários é uma iniciativa fundamental para melhorar a formação de professores de ciências da Educação Básica no que diz respeito às práticas para diversidade. A afirmação é das pesquisadoras Eveline Borges Vilela-Ribeiro e Anna Maria Canavarro Benite, autoras do estudo “Alfabetização científica e educação inclusiva no discurso deContinue a ler “Educação científica e inclusão escolar”

Crianças com autismo de alto funcionamento podem avaliar sua qualidade de vida e dizer o que as faz felizes, afirma pesquisadora

A pesquisadora Marília Penna Bernal, autora do estudo “Qualidade de vida e autismo de alto funcionamento: percepção da criança, família e educador”, descreve autismo de alto funcionamento como um quadro pertencente ao transtorno do espectro autista. Esse quadro é caracterizado pelo comprometimento de três áreas: interação social, déficits de linguagem e interesses restritos e estereotipados.Continue a ler “Crianças com autismo de alto funcionamento podem avaliar sua qualidade de vida e dizer o que as faz felizes, afirma pesquisadora”

Cinco coisas para se ensinar a crianças que convivem com autistas

É sabido que o preconceito é algo aprendido pela criança, e não algo que lhe é natural. Assim, se uma criança não receber qualquer ideia preconcebida a respeito de crianças especiais, ela não verá problemas em interagir e brincar mesmo notando diferenças físicas e/ou de comportamento no colega. Para que a interação ocorra tranquilamente, entretanto,Continue a ler “Cinco coisas para se ensinar a crianças que convivem com autistas”

Currículo escolar é agente potencializador de ações para alunos com altas habilidades/superdotação

Um convite para os educadores olharem as prerrogativas da educação inclusiva sob as lentes dos estudos curriculares. É o que fazem os pesquisadores Soraia Napoleão Freitas e Claus Dieter Stobäus, em estudo que traz visibilidade a uma discussão curricular fortemente marcada pela prática educativa de aprendizes com altas habilidades/superdotação. O artigo “Olhando as altas habilidades/superdotaçãoContinue a ler “Currículo escolar é agente potencializador de ações para alunos com altas habilidades/superdotação”

Professor surdo ensinando libras em curso superior de Vitória, ES: alunos compreendem aspecto cultural da deficiência

 “Uma coisa que me chocou uma vez foi que eu ouvi uma pessoa dizendo que tem orgulho de ser surdo”, afirmou uma aluna do curso de licenciatura em Pedagogia. A declaração, que para alguns demonstra preconceito, na verdade é parte do reconhecimento de que a deficiência auditiva não reduz a capacidade de ninguém. “Eu confessoContinue a ler “Professor surdo ensinando libras em curso superior de Vitória, ES: alunos compreendem aspecto cultural da deficiência”