Superdotados e rock pesado: catarse e fuga do tédio

O rock pesado (Heavy Metal) muitas vezes está associado à delinquência e ao baixo rendimento escolar. Este estereótipo, entretanto, ficou abalado com a publicação dos resultados de pesquisa realizada pela Universidade de Warwick, no Reino Unido. As pessoas afixionadas por rock pesado, segundo o estudo, são extremamente inteligentes e utilizam a música como forma de auto-ajuda para ajustarem-se melhor à sociedade.

Sutart Cadwallader, psicólogO autor da pesquisa, afirma que essa estratégia é mais utilizada pelas pessoas com altas habilidades/superdotação que também apresentam auto-estima abaixo da média. “Existe uma crença de que pessoas com altas habilidades tendem a gostar de música clássica, e acredito que esse estereótipo é inadequado”, ressalta.

O psicólogo afirma que a predileção por este estilo de música não deve preocupar os pais. “É simplesmente algo catártico, e não um indicador de problemas”, alerta. O termo “catártico”, usado pelo pesquisador para apontar a sensação que os participantes da pesquisa sentem ao ouvir rock pesado, tem origem na palavra grega “catarsis” (em português, catarse), e significa “limpeza da alma”.

Os participantes da pesquisa afirmaram ainda ouvir rock pesado quando estavam de mal-humor, utilizando a música para diminuir suas frustrações e também o tédio. “Não dá para descarregar a raiva com outro tipo de música”, afirmou um dos participantes.

Texto escrito por Silvana Schulte, do blog http://www.meunomenai.com

Baixa auto-estima de adultos superdotados

Imagem

Segundo a psicóloga Carmen Sanz Chacón, especialista em superdotação, grande número de adultos com altas habilidades, também chamados de superdotadas, são caracterizados por introversão, baixa auto-estima, problemas de ansiedade, fobia social e dificuldades de relacionamento social.

Carmen Sanz Chacón acredita que a maioria destes problemas é resultado da falta de adaptação destas pessoas durante a infância, que levam a um isolamento maior do que o normal durante a adolescência.

Essas dificuldades, unidas à sensação de que são diferentes  – não só por sentirem-se diferentes, mas também porque sabem que as outras pessoas os enxergam de modo diferente – desperta nos superdotados um Complexo de “Patinho Feio”, resumido no pensamento: “Sou diferente, tenho menos valor que os outros”.

Assim, não querer chamar a atenção, o que faz inclusive que muitos adolescentes desistam de estudar para não destacarem em relação aos colegas de classe, torna-se uma estratégia dos superdotados para que se integrem melhor. A psicóloga chama ainda a atenção para o fato de que a estratégia de se fazer despercebido é especialmente utilizada por meninas superdotadas.

O isolamento, outra estratégia apontada por Carmen Sanz Chacón como de uso frequente dos adolescentes superdotados, faz com que essas pessoas percam as ricas experiências que marcam os relacionamentos sociais da adolescência. São essas experiências, ressalta a psicóloga, que nos ensinam a conhecer nossas limitações, a fazer novos amigos e consolidar amizades e a escolher as pessoas com quem nos sentimos melhor.

A perda dos momentos que marcam as primeiras relações amorosas – tanto os momentos bons quanto os maus, todos essenciais para nosso amadurecimento – também é uma das consequências do isolamento voluntário de adolescentes superdotados.

A psicóloga alerta que, ao chegar à vida adulta, a pessoa superdotada que recorreu a essas estratégias durante a adolescência não tem as habilidades sociais básicas para enfrentar o mercado de trabalho, constituir família e manter relacionamentos satisfatórios com amigos e familiares. Com isso, os sentimentos de baixa auto-estima, fracasso pessoal e desmotivação são potencializados.

Aos adultos superdotados que apresentam esse quadro, Carmen Sanz Chacón sugere que investiguem a origem destes sentimentos em busca do melhor tratamento, que geralmente envolvem o treino de habilidades sociais específicas e programas de melhora da auto-estima. Quanto antes essas medidas forem tomadas, ressalta a psicóloga, mais rapidamente as condutas e sentimentos serão regularizados, aumentando o bem-estar da pessoa.

Fonte: http://www.elmundodelsuperdotado.com/