Relação entre uso de mídia na infância e transtornos psicológicos na adolescência

Resultado de imagem para social media

Adolescentes usam mídias digitais por mais de cinco horas ao dia em média, e quase 50% desses adolescentes podem ser considerados viciados em internet. A maioria consome conteúdo violento. e o baixo nível socioeconômico e baixas competências sócio-emocionais, além de estilo educacional desfavorável e estresse psicológico da mãe são fatores de risco para o uso da mídia na adolescência. Esses dados são apresentados no artigo “Influência do consumo de mídia durante a primeira infância no uso de mídia e transtornos psicológicos na adolescência”, divulgado no início de outubro de 2017,  e que analisou os hábitos de consumo de mídia em crianças e adolescentes, a influência de diferentes fatores de risco da primeira infância sobre o uso da mídia na adolescência e os vínculos entre o consumo de mídia infantil e os distúrbios na adolescência.

Os autores, J. Grund e W. Schulz, destacam que existem muitos estudos sugerindo um vínculo entre alto consumo de mídia e transtornos psicológicos, fisiológicos e sociais, mas ao mesmo tempo há resultados inconsistentes, limitações metódicas e falta de estudos longitudinais. “Há uma necessidade de mais estudos longitudinais para obter uma melhor compreensão das conseqüências do consumo de mídia”, afirmam no artigo.

Os adolescentes com antecedentes de migração têm um maior risco de dependência de internet e jogos de computador. Por outro lado, a utilização geral da mídia na primeira infância tem apenas um baixo poder preditivo, isto é, não é capaz de gerar muitas previsões sobre os reflexos deste uso nos próximos anos de vida da criança. Os resultados do estudo indicam que as conexões entre o uso na infância e os transtornos psicológicos na adolescência parecem ser mais complexas do que até então pesquisadores científicos acreditavam. Participaram do estudo 249 famílias.

Para conhecer o estudo, acesse o link: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/28974188

Teoria da Mente e interação de bebês com pessoas ao seu redor

nullEm torno do final do primeiro ano de vida, as interações dos bebês com as pessoas ao seu redor mudam radicalmente. Antes disso, as interações são em essência marcadas por intercâmbios face-a-face. Por volta dos 9-12 meses de idade, os bebês começam a olhar na direção do gesto de olhar ou de apontar de um adulto, e também começam a mostrar objetos para as outras pessoas verem.
A explicação é dada pelas pesquisadoras Camila Soares de Abreu, Cláudia Cardoso-Martins e Poliana Gonçalves Babosa, autoras do estudo “A Relação entre a Atenção Compartilhada e a Teoria da Mente: Um Estudo Longitudinal”.
Interessadas em avaliar a relação entre a habilidade de a criança compartilhar sua atenção com a atenção de outras pessoas e o desenvolvimento posterior da teoria da mente, as autoras acompanharam 28 crianças. “Os resultados sugerem que, desde o final do primeiro ano de vida, as crianças interpretam o gesto de olhar/apontar das pessoas ao seu redor como ações intencionais.
O estudo questiona a hipótese de que a habilidade de crianças de seguir o gesto de olhar ou de apontar das outras pessoas é o resultado de uma aprendizagem condicionada. Durante a pesquisa, as autoras observaram que a maior parte dos comportamentos de iniciar a atenção compartilhada consistiu de respostas de alternar o olhar entre um brinquedo mecânico em movimento e o examinador, em um contexto em que este estava claramente engajado com a criança e o objeto de sua atenção. “Não é certo, portanto, que a criança estivesse tentando influenciar o estado atencional do examinador”, ressaltam as pesquisadoras.
A pesquisa também trouxe resultados inesperados, segundo elas. “Em oposição aos resultados encontrados para os comportamentos de responder à atenção compartilhada, não encontramos uma associação entre os comportamentos de iniciar atenção compartilhada e o desempenho nas tarefas de teoria da mente”.
Texto escrito por Silvana Schultze, do blog http://www.meunomenai.com
Para conhecer o estudo completo, acesse o link: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-79722014000200409&lng=pt&nrm=iso

Timidez e dependência do olhar

O olhar do outro sobre uma pessoa tímida pode produzir sofrimento, tais como embaraço e humilhação. O pesquisador Julio Verztman, autor do estudo “Embaraço, humilhação e transparência psíquica: o tímido e sua dependência do olhar”, discute em seu artigo os impasses experimentados pelo sujeito caracterizado como tímido na sua relação com o olhar.

O autor destaca que no projeto-piloto da pesquisa, que envolveu o atendimento a dois pacientes com o diagnóstico de fobia social, duas possibilidades de experiência da vergonha chamaram a atenção: a vergonha vivida como embaraço e a vergonha vivida como humilhação.

O paciente um, que sentia vergonha como embaraço, conseguia nomear alguns de seus medos diante da exposição ao olhar do outro, e também era capaz de evitar situações nas quais poderia sentir vergonha. “O motivo de sua vergonha lhe escapava inteiramente, e não percebia qualquer animosidade intencional no outro, mesmo que isto fosse constantemente temido”, ressalta o pesquisador. O paciente dois, que sentia vergonha como humilhação, ao contrário, era muito mais retraído e desconfiado. “Ele não conseguia sequer definir o que sentia e se precavia permanentemente da possibilidade palpável de sofrer humilhação intencional por parte do outro”, descreve Julio Verztman.

O autor aponta ainda que o tímido sente-se constantemente como um réu durante um julgamento, o julgamento do olhar do outro. Neste julgamento, qualquer gesto ou texto do tímido o coloca mais ainda em evidência. Citando outro pesquisador, J. F. Costa, autor do estudo “Os sobrenomes da vergonha: depressão e narcisismo”, Julio Verztman ressalta que as pessoas envergonhadas enfrentam um paradoxo: ao mesmo tempo em que querem ser reconhecidos como objeto de investimento de outra pessoa, temem não corresponder às expectativas que acreditam que essa outra pessoa tem sobre eles. Em síntese, o tímido nem quer ser visto nem quer deixar de ser visto.

Texto escrito por Silvana Schultze, do blog www.meunomenai.com

Para conhecer o estudo completo, acesse o link: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-14982014000300011&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt

Estereotipias: indicações verbais podem precisar de intervenções alternativas

De acordo com a pesquisadora Bridget Taylor, muitas crianças com autismo apresentam comportamentos repetitivos sem uma finalidade aparente e sem conseqüências sociais determinadas. Estas condutas, explica a pesquisadora, denominam-se comumente de estereotipias ou condutas com reforço automático, e se mantém porque a conduta em si mesma implica em um reforço positivo para a criança. Assim, por exemplo, uma criança pode girar as rodas de um caminhão porque o efeito visual que o giro produz é visualmente atrativo para ele. Exemplos comuns das estereotipias incluem o abanar de mãos, girar, repetir canções e frases de filmes, mastigar objetos não comestíveis, levantar e tocar objetos ou realizar sons vocais. As estereotipias são muito difíceis de se tratar devido á sua persistência e à tendência de ocorrerem sem supervisão de um adulto. No entanto, existem técnicas que podem ser úteis.

Duas dessas técnicas foram apontadas no estudo “Avaliação e tratamento de estereotipias encobertas” (título original em inglês “Evaluation and treatmente of covert stereotypy”, publicado no periódico “Behavioral Interventions” n. 17. Intervenções comportamentais”). Os autores, J. E. Ringdahl, A. S. Andelman, K. Kitsukawa, L. C. Winborn, A. Barreto e D. P. Wacher,

acompanharam uma criança que agitava repetidamente as mãos, estereotipia que ocorria sem consequências sociais e quando a criança estava sozinha.

Para controlar essa estereotipia, foram analisados os resultados do uso de indicações verbais regulares e de uma técnica de intervenção chamada DRO, ou Reforço Diferencial de Outra Conduta (em inglês, Differential Reinforcement of Other Behavior). As indicações verbais diminuíram a estereotipia na presença de um adulto, mas quando o adulto saía o comportamento aumentava, mesmo que o adulto voltasse repetidamente para recordar a orientação verbal à criança.

Com a técnica DRO, a criança foi presenteada com uma atividade da qual ela gostava, e caso a criança apresentasse a estereotipia, a atividade era interrompida. O adulto, então, explicava à criança que se ela não agitasse as mãos por dez segundos, poderia retomar a atividade. Esse tempo foi aumentando gradativamente até alcançar dez minutos, conforme a criança conseguisse não voltar à estereotipia durante o período determinado pelo adulto.

Com base nessas observações, os pesquisadores concluíram que, no caso da criança acompanhada, a técnica DRO foi mais eficiente. Eles ressaltam que, nos casos em que as indicações verbais não são suficientes,  a utilização de um estímulo altamente atraente para a criança – como uma atividade favorita – pode ser uma intervenção alternativa.

Texto escrito por Silvana Schultze, do blog www.meunomenai.com

Para conhecer o texto original em espanhol, acesse o link: http://desafiandoalautismo.org/%C2%BFque-hay-de-nuevo-en-el-tratamiento-y-manejo-de-las-estereotipias/

TDAH subtipo desatento: protocolo oficial contra equívocos


Um protocolo oficial poderia ser uma saída para evitar equívocos diagnósticos ou interpretações de sintomas de outros transtornos que não o TDAH do subtipo desatento. É o que apontam as pesquisadoras Lilian Martins Larroca e Neide Micelli Domingos, autoras do estudo “TDAH – Investigação dos critérios para diagnóstico do subtipo predominantemente desatento”. De acordo com a pesquisa, as discrepâncias de diagnóstico e suposta falta de critério científico dos sintomas do transtorno alimentam o questionamento de uma corrente de pensamento que se opõe à sua existência.
O objetivo desta pesquisa foi identificar, através da literatura científica e entrevistas realizadas com três neuropediatras, os procedimentos médicos necessários para o diagnóstico seguro do TDAH – subtipo desatento e verificar se esses procedimentos foram aplicados ao diagnóstico de alunos de um colégio particular no interior de São Paulo. “O encaminhamento para avaliações multiprofissionais depende dos critérios seguidos por cada médico e não segue uma diretriz”, observaram as autoras.
Os resultados demonstraram ainda que nenhum dos diagnósticos da amostra seguiu todos os procedimentos apontados, mostrando a necessidade de estabelecer um protocolo amplo, que agregue a participação de outros profissionais (fonoaudiólogos, psicopedagogos, psicólogos etc.), e que garanta a precisão diagnóstica, além de descartar possibilidades e investigar fatores concorrentes para dificuldades apresentadas pela criança desatenta.
Texto escrito por Silvana Schultze, do blog http://www.meunomenai.com
Para conhecer o estudo completo, acesse o link: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-85572012000100012&lng=pt&nrm=iso

Gestos e símbolos dão voz a pacientes com Paralisia Cerebral


A clínica fonoaudiológica como um espaço para a escuta do corpo de portadores de paralisia cerebral é a base do estudo “O diagnóstico fonoaudiológico na paralisia cerebral: o sujeito entre a fala e a escuta”, que acompanhou a adolescente Sabrina para estabelecer o diagnóstico diferencial próprio ao campo fonoaudiológico. “A condição básica para a interpretação (do corpo falante) está na dependência do compromisso do fonoaudiólogo com uma escuta balizada por uma teoria psicanalítica e de linguagem que conceba o discurso como perpassado por múltiplos sentidos”, ressalta o trabalho.
As autoras, Giuliana Bonucci Castellano e Regina Maria Ayres de Camargo Freire, explicam que na clínica fonoaudiológica comprometida com a subjetividade e a linguagem de portadores de Paralisia Cerebral, a interação dialógica pode ser atravessada por uma fala ininteligível ou mesmo por sua falta. Elas observaram, durante a análise das transcrições das situações ocorridas na clínica com a adolescente, que a garota e a fonoaudióloga ultrapassam as possíveis referências dos símbolos pictográficos, entrelaçados por traços corporais e sucessões sonoras, ao tomá-los como significantes, passíveis de interpretação.
O estudo conclui que, embora os portadores de Paralisia Cerebral apresentem sintomas graves no corpo e a impossibilidade de fala articulada, não estão fora do campo da fala e da linguagem. São falantes, e seus gestos e símbolos gráficos ganham voz pela escuta e interpretação do Outro na relação dialógica instaurada na cena clínica fonoaudiológica.

Texto escrito por Silvana Schultze, do blog http://www.meunomenai.com

Para conhecer o estudo completo, acesse o link: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-14982014000100008&lng=pt&nrm=iso

Autismo e professores: teleducação para difusão de conhecimento

null
A classificação e definição dos Transtornos do Espectro do Autismo (TEA), a legislação brasileira educacional e o papel da escola e do professor na vida da criança são temas de interesse de professores que participaram de estudo na rede de ensino municipal de Bauru, interior de São Paulo.
As pesquisadoras Natalia Caroline Favoretto e Dionísia Aparecida Cusin Lamônica, autoras do estudo “Conhecimentos e necessidades dos professores em relação aos transtornos do espectro autístico”, defendem que a teleducação é um caminho para atender a essas necessidades. “As aulas devem abordar assuntos destacados pelas respostas do questionário de verificação, sendo eles, definição e classificação dos TEA, legislação educacional, papel da escola e do professor na vida da criança, caracterização das alterações de comportamento, socialização e comunicação no indivíduo com TEA, desenvolvimento normal de linguagem e desenvolvimento de linguagem nos TEA e, principalmente de estratégias educacionais que favoreçam o aprendizado do aluno com TEA”, afirma o estudo.
A pesquisa faz parte de um projeto que pretende, por meio da teleducação, prover informações aos professores do ensino infantil visando à inclusão de crianças com Transtornos do Espectro Autístico (TEA) na rede regular de ensino. A partir das respostas dos professores a um questionário, foram organizados conteúdos programáticos para elaboração um curso de difusão de conhecimentos que será desenvolvido em uma próxima etapa. “Os resultados evidenciaram que a inclusão escolar está em processo de crescimento, porém com professores carentes por informações”.
O estudo também proporcionou uma maior integração entre a comunidade fonoaudiológica e pedagógica, e para as pesquisadoras essa integração favorece a elaboração do conteúdo do curso.
Texto escrito por Silvana Schultze, do blog http://www.meunomenai.com
Para conhecer o estudo completo, acesse o link: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-65382014000100008&lng=pt&nrm=iso