Qualidade de vida de autistas

O termo qualidade de vida expressa uma série de percepções, do próprio indivíduo ou de terceiros, como familiares, e no caso de autismo, auxilia na identificação de fatores importantes para a qualidade de vida do indivíduo com o transtorno e também para que a qualidade de vida relatada por este esteja em consonância com aContinue a ler “Qualidade de vida de autistas”

Trabalhando com crianças com autismo: saúde e educação

Existe uma necessidade crescente de incluir experiências interprofissionais na educação para a saúde de graduação. A simulação é uma metodologia venerada como capaz de facilitar as oportunidades de aprendizagem interprofissional em um ambiente seguro e estruturado. O artigo “Trabalhar com crianças com autismo: um tutorial interprofissional baseado em simulação para estudantes de patologia da falaContinue a ler “Trabalhando com crianças com autismo: saúde e educação”

A inteligência de crianças com autismo

A inteligência de crianças com autismo é subestimada? Essa é a pergunta que muitos pais e professores se fazem, e também foi feita pelas pesquisadoras Anne-Marie Nader, Valérie Courchesne, Michelle Dawson e Isabelle Soulières. Para tentar respondê-la, elas escreveram o artigo “O WISC-IV subestima a inteligência de crianças autistas?” (tradução livre do original em inglêsContinue a ler “A inteligência de crianças com autismo”

Timidez e dependência do olhar

O olhar do outro sobre uma pessoa tímida pode produzir sofrimento, tais como embaraço e humilhação. O pesquisador Julio Verztman, autor do estudo “Embaraço, humilhação e transparência psíquica: o tímido e sua dependência do olhar”, discute em seu artigo os impasses experimentados pelo sujeito caracterizado como tímido na sua relação com o olhar. O autorContinue a ler “Timidez e dependência do olhar”

O ato de conversar para pessoas com déficit cognitivo

O ato de conversar é uma das bases dos relacionamentos, e muita gente acha que é um processo tão fácil e natural quanto respirar, algo que fazemos automaticamente quase sempre sem perceber. Conversar, entretanto, é algo bastante complexo, pois exige o exercício simultâneo de uma série de habilidades. Essas habilidades podem ser comparadas aos músicosContinue a ler “O ato de conversar para pessoas com déficit cognitivo”

Estereotipias: indicações verbais podem precisar de intervenções alternativas

De acordo com a pesquisadora Bridget Taylor, muitas crianças com autismo apresentam comportamentos repetitivos sem uma finalidade aparente e sem conseqüências sociais determinadas. Estas condutas, explica a pesquisadora, denominam-se comumente de estereotipias ou condutas com reforço automático, e se mantém porque a conduta em si mesma implica em um reforço positivo para a criança. Assim,Continue a ler “Estereotipias: indicações verbais podem precisar de intervenções alternativas”

TDAH subtipo desatento: protocolo oficial contra equívocos

Um protocolo oficial poderia ser uma saída para evitar equívocos diagnósticos ou interpretações de sintomas de outros transtornos que não o TDAH do subtipo desatento. É o que apontam as pesquisadoras Lilian Martins Larroca e Neide Micelli Domingos, autoras do estudo “TDAH – Investigação dos critérios para diagnóstico do subtipo predominantemente desatento”. De acordo comContinue a ler “TDAH subtipo desatento: protocolo oficial contra equívocos”

Gestos e símbolos dão voz a pacientes com Paralisia Cerebral

A clínica fonoaudiológica como um espaço para a escuta do corpo de portadores de paralisia cerebral é a base do estudo “O diagnóstico fonoaudiológico na paralisia cerebral: o sujeito entre a fala e a escuta”, que acompanhou a adolescente Sabrina para estabelecer o diagnóstico diferencial próprio ao campo fonoaudiológico. “A condição básica para a interpretaçãoContinue a ler “Gestos e símbolos dão voz a pacientes com Paralisia Cerebral”

Autismo e professores: teleducação para difusão de conhecimento

A classificação e definição dos Transtornos do Espectro do Autismo (TEA), a legislação brasileira educacional e o papel da escola e do professor na vida da criança são temas de interesse de professores que participaram de estudo na rede de ensino municipal de Bauru, interior de São Paulo. As pesquisadoras Natalia Caroline Favoretto e DionísiaContinue a ler “Autismo e professores: teleducação para difusão de conhecimento”

Fonoaudiologia e idosos: contato com o “velho interior”

Fonoaudiólogos que trabalham com idosos no âmbito hospital precisam entrar em contato com seu “velho Interior”: seus medos, tabus e concepções de envelhecimento. É o que defendem as fonoaudiólogas Silvia Ligia Svezzia e Belkis Trench, autoras do estudo “Admirável lugar no mundo de velhos: práticas e vivências fonoaudiológicas em hospitais”. O trabalho teve como objetivoContinue a ler “Fonoaudiologia e idosos: contato com o “velho interior””