Mídias sociais, uso de drogas e Saúde Pública: usos de natural language

Resultado de imagem para drugs
Com o rápido desenvolvimento de novas substâncias psicoativas e as mudanças no uso de drogas mais tradicionais, é cada vez mais difícil para os pesquisadores e os profissionais de saúde pública manterem-se atualizados com drogas emergentes e termos de drogas. Pesquisas de uso de substâncias e ferramentas de diagnóstico precisam ser capazes de perguntar sobre substâncias que utilizam os termos que os próprios usuários de drogas provavelmente estarão usando. As análises das mídias sociais podem oferecer novas maneiras para que os pesquisadores descubram e rastreiem mudanças em termos de drogas em tempo quase real. O estudo “Detecção de novos termos de medicamentos emergentes usando processamento de linguagem natural: um estudo de Corpus Social” descreve os resultados iniciais de uma colaboração inovadora entre epidemiologistas de uso de substâncias e cientistas linguísticos que empregam técnicas do campo do processamento de linguagem natural para examinar termos relacionados a drogas em uma amostra de tweets dos Estados Unidos.

O objetivo deste estudo foi avaliar a viabilidade de usar embutidos distribuídos de vetor de palavras treinados em dados de redes sociais para descobrir termos de drogas previamente desconhecidos (para pesquisadores). O método descrito no estudo produziu uma lista de 200 termos candidatos para a substância alvo (maconha). Destes 200 candidatos, 115 estavam determinados a referir-se, de fato, à maconha (65 termos para a própria substância, 50 termos relacionados à parafernália). Isso incluiu 30 termos que foram utilizados para se referir à substância alvo no corpus, ainda não apareceu na lista gerada por especialistas e, portanto, considerados casos bem-sucedidos de descoberta de terminologia de drogas novas. Vários destes termos parecem ter sido introduzidos tão recentemente como 1 ou 2 meses antes da faixa de tempo do corpus.

Os autores concluíram que embora a precisão do método descrito seja baixa o suficiente para ainda exigir revisão humana de qualquer lista de termos de candidatos gerados de tal maneira, o fato de que esse processo foi capaz de detectar 30 termos para a substância alvo com base apenas no valor de um mês dos dados do Twitter é altamente promissor.

Texto escrito por Silvana Schultze, para o blog http://www.meunomenai.wordpress.com

Permitida a reprodução desde que citada a fonte.

Mídias digitais sociais e aconselhamento genético: diretrizes

Resultado de imagem para genetic counselling

Pacientes e prestadores de cuidados de saúde estão cada vez mais conectados através de redes sociais, o que traz novas oportunidades mas também muitos desafios. A conexão direta pode ocorrer entre pacientes e provedores usando ferramentas online, como Facebook e LinkedIn. Além disso, os provedores podem coletar informações sobre pacientes que usam um mecanismo de busca como o Google, conhecido como Google Gug in Googling (PTG).

Essas são algumas das conclusões do estudo “Have You Ever Googled a Patient or Been Friended by a Patient? Social MediaIntersects the Practice of Genetic Counseling” (Em tradução livre para o português: “Você já escolheu um paciente ou foi amigo de um paciente? A mídia social interage a prática do aconselhamento genético”), publicado em janeiro de 2018 em periódico científico internacional indexado na Base de Dados Pubmed.

Uma pesquisa on-line de 54 itens foi utilizada para obter informações sobre (1) como e em que medida os conselhos de orientação genética e conselheiros genéticos se conectam diretamente com os pacientes através de sites de redes sociais e (2) coletam informações sobre provedores que usam PTG. Quatrocentos estudantes de aconselhamento genético e conselheiros genéticos participaram da pesquisa. A maioria dos entrevistados (88,9%; n = 344/387) achou que nunca é ou raramente aceitável interagir com pacientes atuais através de sites de redes sociais. No entanto, 27,7% (n = 110/397) visitaram o site de mídia social de um paciente. A informação de reunião para o atendimento ao paciente foi o motivo mais comummente relatado (76,8%; n = 43/56). Trinta e três por cento (n = 130/394) consideraram pesquisar on-line ou pesquisados ​​em linha para obter informações sobre um paciente.

A curiosidade foi a razão mais comum (92,7%; n = 114/123); No entanto, os entrevistados também usaram a PTG para obter informações de contato e para se preparar para as sessões dos pacientes. O estudo aponta a necessidade de desenvolvimento e disseminação de diretrizes profissionais para servir como um recurso valioso para a prática de conselheiros genéticos e programas de treinamento de aconselhamento genético.

Texto escrito por Silvana Schultze, do blog Meunomenai. Permitida a citação desde que indicada a fonte.