Algumas medidas simples podem ser recomendadas por médicos a familiares para promover a higiene do sono de crianças, o que reflete em melhoria na qualidade de vida dos pais. É o que destaca o estudo “Educação em higiene do sono na infância: quais abordagens são efetivas? Uma revisão sistemática da literatura”, que avaliou as intervenções visando práticas de higiene do sono em crianças, sua aplicabilidade e efetividade na prática clínica, para que as mesmas possam ser utilizadas na orientação dos pais pelos pediatras e médicos de família.
As autoras, Camila S. E. Halal e Magda L. Nunes, apontam ainda que, apesar de a abordagem comportamental no manejo do sono na faixa etária pediátrica ser de simples execuçcão e adesão, existem poucos estudos na literatura que avaliaram sua efetividade. “É de fundamental importância os pediatras e médicos de família conhecerem estas abordagens, para que possam oferecer orientacções adequadas a seus pacientes”, defendem.
Entre as técnicas apontadas no estudo, estão rotinas positivas, checagem mínima com extinçcão sistemática e extinção gradativa ou remodelamento do sono, bem como diários do padrão de sono. “Todas as abordagens apresentaram resultados positivos”, destaca o trabalho, apontando ainda que a prevalência de distúrbios do sono é alta na infância, podendo acometer em torno de 30% das crianças até a idade escolar. “Uma criança com alterações crônicas do sono pode apresentar dificuldades na aprendizagem escolar e consolidação da memória dos conteúdos aprendidos, irritabilidade e alterações na modulação do humor, dificuldade em manter a atenção e alterações comportamentais, como agressividade, hiperatividade ou impulsividade”.
Texto escrito por Silvana Schultze, do blog http://www.meunomenai.com
Para conhecer o estudo completo, acesse o link: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0021-75572014000500449&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt