Em países ricos e pobres, a maioria dos adultos não consume as cinco porções diárias de frutas e verduras recomendadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Esse é um dos dados apontados pelas pesquisadoras Julia L. Valmórbida e Márcia R. Vitolo, autoras do estudo “Fatores nos primeiros anos de vida que influenciam o consumo de frutas e verduras entre crianças”.
O objetivo do estudo foi avaliar os fatores associados ao baixo consumo de frutas e verduras entre pré-escolares de famílias usuárias da rede básica de saúde de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. Os resultados mostraram alta prevalência de crianças que consumiram menos de uma porção de frutas e verduras ao dia, e sugerem que práticas alimentares precoces, escolaridade paterna e renda estão associadas a esse processo. “A alimentação nos primeiros anos de vida exerce papel fundamental no crescimento e desenvolvimento infantil, e a introdução adequada de alimentos sólidos é extremamente importante, pois pode afetar a aceitação dos alimentos no futuro”, destaca o estudo.
As autoras ressaltam ainda que as crianças em idade pré-escolar caracterizam-se por apresentarem maiores necessidades de micronutrientes quando comparadas com as necessidades energéticas. “Esse aspecto, somado às evidências que os pré-escolares estão consumindo dietas ricas em gordura saturada e açúcar e pobre em fibra alimentar, torna esse grupo etário vulnerável ao desenvolvimento de obesidade e deficiência de micronutrientes”.
Texto escrito por Silvana Schultze, do blog http://www.meunomenai.com
Para conhecer o estudo completo, acesse o link: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0021-75572014000500437&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt