Interessado na relação entre pais e filhos com deficiência física, o pesquisador Miguel Cláudio Moriel Chacon buscou informações da relação pai-filho deficiente físico quanto ao espaço, responsabilidades e sentimentos que o pai tem na relação parental. Os resultados, baseados nas respostas de pais entre 31 e 66 anos, estão no estudo “Aspectos relacionais, familiares e sociais da relação pai-filho com deficiência física”. “Há diferenças no tempo de percepção dos pais sobre a deficiência”, afirma o autor, observando ainda que a informação sobre a deficiência geralmente chega pelo médico.

O pesquisador destaca que, quando a deficiência não possui alto grau de visibilidade e comprometimento, só será percebida com o tempo. “O choque da descoberta e comportamentos de rejeição são sentimentos prevalecentes nos pais”. A maioria dos pais participantes da pesquisa aponta diferenças de papéis na criação e considera que cabe exclusivamente a eles prover a família, enquanto o papel da mãe, para esses pais, seria acompanhar o filho.

O estudo aponta ainda que esses pais sentem que dividem com as mães as responsabilidades pelo cuidado, na maioria das vezes não se sentem acusados em se distanciar, e procuram acompanhar os tratamentos. Além disso, destaca a pesquisa, os filhos com deficiência física são tão apegados a eles quanto aos demais familiares. “A maioria assume o sentimento de medo de gerar outros filhos com deficiência”, afirma o estudo. Entre os pais que possuem mais que um filho, a maioria reconhece a existência de tratamento diferenciado ao filho com deficiência física. “Os pais sentem como as mães, mas manifestam-se diferentemente”, conclui o estudo.

Texto escrito por Silvana Schultze, do blog www.meunomenai.com

Para conhecer o estudo completo, acesse o link: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-65382011000300007&lng=pt&nrm=iso&tlng=en