Caso de polícia? Análise do sistema educacional brasileiro


É chocante assistir a professores serem brutalmente atacados pela polícia em manifestações públicas que exigem nada mais que condições dignas para seu trabalho. Mais chocante ainda é observar a repetição dessa brutalidade, mesmo diante do consenso de que a profissão de professor é desvalorizada a ponto de muitos recearem que, se o governo brasileiro não modificar profundamente o sistema, haverá escassez gritante de professores.

Por que, afinal, não se consegue articular discursos coerentes que conduzam à melhoria do sistema de ensino brasileiro, satisfazendo todas as partes envolvidas nesse sistema? Será uma utopia um sistema de ensino onde professores sentem-se valorizados e pessoalmente realizados pelos resultados de seu trabalho e pela sua remuneração, ao mesmo tempo em que alunos terminam seus ciclos de estudos cientes de que receberam uma formação sólida que os preparou para as próximas etapas?

Interessado nas possibilidades e nos limites da construção de um Estado de direitos, assim como do fortalecimento da esfera pública, o pesquisador Miguel G. Arroyo aprofundou-se nos referenciais teóricos com que tem sido analisada a construção do sistema de educação. “Ao atrelar a construção de um sistema de educação à cooperação entre os entes federados, que possibilidades e limites coloca a garantia do direito de todos à educação?”, questiona o pesquisador.

Essa e outras questões estão presentes no estudo “Reinventar a política – reinventar o sistema de educação”. O autor ressalta: “Depois de algumas décadas de tentar a contra-hegemonia pelo pensamento crítico, pela conscientização por currículos anti-hegemônicos, idealizados como semeadores do dissenso, o que experimentamos é que a paz nos campos, nas vilas, nos conglomerados, nas ruas e até nas escolas não passa por acentuar um sistema educacional que faça o jogo de consenso integrador”.

Consenso e dissenso são analisados no estudo, que argumenta: “Como garantir igualdade de direitos em um padrão de poder no qual o poder dos entes federados é tão assimétrico?”. O pesquisador destaca ainda que, “quando se opta por privilegiar processos de um mínimo sobreviver, não há lugar nem para o jogo do consenso nem do dissenso”.

A partir do questão “Educar para o consenso ou suprimir o dissenso?”, o autor argumenta que “o discurso sobre a necessidade de um sistema articulado, de qualidade, tem destacado a necessidade de socializar os trabalhadores e os cidadãos para o consenso na cultura nacional, nos valores da ordem”. Segundo ele, “não por acaso a questão operária foi uma questão de polícia, como as questões agrária, da paz nas favelas e nos conglomerados continuam uma questão de polícia, de repressão e de extermínio”.

Por quanto tempo ainda a questão da educação será no Brasil caso de polícia?

Texto escrito por Silvana Schultze, do blog www.meunomenai.com

Para conhecer o estudo completo, acesse o link: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302013000300002&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt

Se você gostou deste texto, poderá gostar também de:

http://meunomenai.com/2013/06/29/estrutura-escola-afeta-saude-de-professores-conclui-estudo/

http://meunomenai.com/2013/10/21/leitura-em-voz-alta-e-escrita-interferencia-positiva/

http://meunomenai.com/2013/10/13/programa-alfabetizacao-solidaria-tese-aponta-difusao-de-ideias-neoliberais-como-financiamento-publico-e-privado-e-mao-de-obra-barata-e-temporaria/

http://meunomenai.com/2013/10/04/curriculo-escolar-e-agente-potencializador-de-acoes-para-alunos-com-altas-habilidadessuperdotacao/

http://meunomenai.com/2013/10/02/provinha-brasil-pesquisadora-alerta-que-instrumento-de-avaliacao-da-alfabetizacao-pouco-contribui-para-formacao-de-leitores-e-escritores/

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s