Paciência, entonação de voz adequada e boa interação são comportamentos positivos no relacionamento de mães com seus filhos com alterações de linguagem. “É preciso interagir com outros seres humanos como meio de sobrevivência, proteção e estimulação, sendo que a comunicação nasce desta necessidade”, destaca o estudo “Síndrome de Down versus alteração de linguagem: interação comunicativa entre pais e filhos”.

As autoras, Maria Grazia Guillen Mayer, Maria Amelia Almeida e Simone Aparecida Lopes-Herrera, investigaram a interação de mães de crianças com síndrome de Down e seus filhos e mães de crianças com alteração de linguagem e seus filhos. “Os dados encontrados mostram que mães de crianças com alteração de linguagem interagem mais positivamente com a criança quando comparadas às mães de crianças com síndrome de Down”, destacam, ressaltando que, neste estudo, mães de crianças com síndrome de Down tiveram comportamentos mais passivos, assim como seus filhos.

Os comportamentos durante a interação de crianças com alteração de linguagem e suas mães que auxiliam o processo de desenvolvimento da linguagem da criança apontados no estudo são: equilíbrio da atividade dialógica durante a interação, estrutura gramatical e complexidade do discurso adequado, mais paciência com a criança e adequada entonação da fala. Ao analisar as crianças, as pesquisadoras observaram que as com síndrome de Down tiveram mais dificuldades em compreender regras e instruções fornecidas pelas mães, além de demonstrarem menos interesse nas atividades. “A forma discursiva não foi adequada e a entonação de fala mais monótona”, concluem as pesquisadoras, destacando que a comunicação requer habilidades básicas, como a capacidade para iniciar, interagir e responder apropriadamente ao que está sendo questionado, além de manter a interação. “Durante a interação social, as crianças aprendem como usar a linguagem e fazer dela uso social”.

Texto escrito por Silvana Schultze, do blog www.meunomenai.com

Para conhecer o estudo completo, acesse o link: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-65382013000300004&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt

Se você gostou deste texto, poderá gostar também de:

http://meunomenai.com/2013/10/28/falta-de-mao-de-obra-especializada-e-exclusao-digital-prejudicam-projetos-de-telefonoaudiologia/

http://meunomenai.com/2013/09/19/fonoaudiologia-estendida-para-todas-as-maes-e-recem-nascidos-tese-de-doutorado-aponta-beneficios/

http://meunomenai.com/2013/09/09/perfil-linguistico-de-criancas-com-alteracao-especifica-de-linguagem-pesquisa-aponta-prejuizo-na-linguagem-expressiva/

http://meunomenai.com/2013/09/01/terapia-fonologica-contrastiva-estudo-compara-aquisicao-de-fonemas-entre-criancas-com-e-sem-intervencao/

http://meunomenai.com/2013/08/20/consultoria-colaborativa-necessidade-de-inclusao-de-criancas-especiais-em-escolas-regulares-abre-frente-de-atuacao-para-fonoaudiologos/