A condição especial de uma criança modifica bastante o ciclo de vida familiar, podendo causar sobrecarga emocional, sobretudo estresse e depressão. Interessada em conhecer a relação dessa sobrecarga com a qualidade de vida de mães de crianças com autismo, a pesquisadora Maria Ângela Bravo Favero entrevistou mães vinculadas a duas instituições de atendimento. Os resultados foram apresentados no estudo “Trajetória e sobrecarga emocional da família de crianças autistas: relatos maternos”, que resultou em dissertação de mestrado foi defendida na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto da USP. Além do impacto na qualidade de vida, a pesquisadora analisou as principais dificuldades decorrentes da demanda de cuidados com o filho e os modos de enfrentamento.

Os resultados mostraram que cerca de 65% das mães entrevistadas apresentaram estresse. As estratégias de enfrentamento das dificuldades são focadas em práticas de cultos religiosos e pensamento fantasioso por 45% dessas mães enquanto 35% enfrentam as dificuldades focando no problema.

A trajetória da família na busca de compreender o problema da criança, resultando numa verdadeira peregrinação por hospitais e profissionais de saúde, também foi abordada na análise. Na descrição de uma mãe, seu filho parecia desenvolver-se como os irmãos, mamando e engatinhando na “idade certa”. “Com um ano e meio parecia inteligente, aprendia as vogais e contava até dez”, lembra a mãe. A suspeita surgiu porque o menino repetia tudo “como papagaio”, nas palavras da própria mãe, referindo-se à ecolalia.

O primeiro pediatra, entretanto, não detectou nada, e o diagnóstico, quando o menino estava com três anos, foi desanimador, fazendo com que a mãe chorasse todos os dias até finalmente aceitar a condição do filho. “Fatores como características de personalidade e disponibilidade de recursos pessoais e sociais que incluem informação e orientação levam ao uso de estratégias que colaboram na busca de uma melhor adaptação à nova condição”, aponta a pesquisadora.

Outros temas, como o luto enfrentado pela família e as dificuldades de lidar com a condição da criança, e também as mudanças na dinâmica familiar e a sobrecarga emocional materna que culminou num processo de racionalização do sofrimento também ficaram evidentes nas respostas. As mães relataram ainda o desamparo sentido pelos pais no que se refere às perspectivas futuras de cuidado com o filho.

Texto escrito por Silvana Schultze, do blog www.meunomenai.com

Para conhecer o estudo completo, acesse o link: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/59/59137/tde-27042005-113149/pt-br.php