Um convite para os educadores olharem as prerrogativas da educação inclusiva sob as lentes dos estudos curriculares. É o que fazem os pesquisadores Soraia Napoleão Freitas e Claus Dieter Stobäus, em estudo que traz visibilidade a uma discussão curricular fortemente marcada pela prática educativa de aprendizes com altas habilidades/superdotação.

O artigo “Olhando as altas habilidades/superdotação sob as lentes dos estudos curriculares” destaca que o termo currículo é entendido como um território de conhecimento e poder. Assim, o currículo funciona como agente potencializador de ações diferenciadas para a educação de alunos com altas habilidades/superdotação, resguardando-os de momentos de discriminação, segregação e exclusão pessoal, familiar, escolar e social.

Os autores ressaltam que, quando se trata da educação inclusiva, existe uma preocupação com todos os sujeitos que, de alguma maneira, encontram-se à margem (da sociedade e da educação) e na luta por uma educação de qualidade na escola regular. “Isso faz com que os serviços educacionais prestados sejam continuamente revistos e reorganizados, para que seja alçada uma proposta curricular compatível com a demanda e para qualificar o ensino docente e a aprendizagem discente”.

Com isso, defende o estudo, as práticas pedagógicas e curriculares devem flexibilizar relações e processos que possam contemplar ações que acompanhem o desenvolvimento e a aprendizagem dos alunos com altas habilidades/superdotação, possibilitando o encontro de interesses com as possibilidades pedagógicas efetivadas na instituição.

Os autores apontam como possibilidades diversas ações que podem ser implementadas nas instituições escolares, como a perspectiva de propostas de aceleração/suplementação curricular. “A aceleração caracteriza-se como a oportunidade de cumprir a proposta curricular

da escola em menor tempo, avançando com maior rapidez e com a possibilidade de maior aprofundamento”.

As propostas de aceleração, por sua vez, podem ser de diversas formas – admissão precoce do aluno na escola; avanço de determinada série e/ou ano; cumprir uma série ou ano em menor tempo ou combinações de séries em um mesmo período, entre outras. “Essas possibilidades de aceleração podem ser propostas pela escola e pelos professores de acordo com a singularidade e as necessidades do aluno com altas habilidades/superdotação, respeitando seus domínios e suas habilidades, assim como seu envolvimento social e emocional”.

Texto escrito por Silvana Schultze, do blog www.meunomenai.com

Para conhecer o estudo completo, acesse o link: http://cascavel.ufsm.br/revistas/ojs-2.2.2/index.php/educacaoespecial/article/view/4371/2703