Qual a influência do fortalecimento muscular na qualidade de vida de pessoas com Doença de Parkinson?  A resposta é uma boa notícia: melhoria na força e no equilíbrio do doente, resultado em melhor qualidade de vida. “Quanto melhor o equilíbrio, melhor a qualidade de vida desses indivíduos”, afirmas os pesquisadores Flavia Cristina Bertoldi, José Adolfo Menezes Garcia Silva e Flávia Roberta Faganello-Navega. Autores da pesquisa “Influência do fortalecimento muscular no equilíbrio e qualidade de vida em indivíduos com doença de Parkinson”, os pesquisadores analisaram um grupo de nove homens e mulheres com Doença de Parkinson. “A doença de Parkinson (DP) é a segunda doença neurodegenerativa mais comum e afeta principalmente pessoas a partir da quinta década de vida, com aumento exponencial em idosos entre 65 e 90 anos”, destaca o estudo, ressaltando que a doença reduz a força muscular e provoca instabilidade postural, o que aumenta o risco de quedas. Tais comprometimentos, alerta o estudo, geram prejuízos na qualidade de vida, limitam a independência funcional e causam isolamento ou pouca participação na vida social. “O tratamento fisioterapêutico se torna indispensável desde a fase inicial da doença, uma vez que minimiza e retarda sua evolução, assim como busca proporcionar ao paciente melhor qualidade de vida e funcionalidade”. Todos os voluntários do estudo tiveram freqüência maior do que 75% das sessões de fisioterapia. O programa de atividade física foi realizado duas vezes por semana, por 12 semanas, com sessões de uma hora de duração, em um local próprio para prática de atividade física. Para cada um dos grupos musculares, foram realizadas três séries de dez repetições. Os exercícios foram realizados em cadeia cinética aberta com o uso de aparelhos de mecanoterapia, como Flexores e extensores do joelho, abdutores e adutores do quadril, entre outros. “O programa de treinamento proposto se mostrou eficiente, já que foi capaz de aumentar a força em todos os grupos musculares trabalhados”, concluem os pesquisadores.

Texto escrito por Silvana Schultze, do blog www.meunomenai.com

Para conhecer o estudo completo, acesse o link: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-29502013000200004&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt