Crianças, adolescentes e também adultos com autismo podem desenvolver o hábito de agredirem a si mesmos durante crises de ansiedade ou agressividade. Nem sempre é possível descobrir o que desencadeia este comportamento, e quando ele acontece algumas práticas podem ser tentadas. A primeira delas é abraçar o autista, se ele deixar, ou então envolvê-lo com um cobertor.

Não se deve dizer frases como “Não faça isso com você”, “Você vai se machucar” ou “Não bata em si mesmo”, pois expressar verbalmente o que ele está fazendo acaba chamando a atenção para a conduta, correndo-se o risco de reforçá-la.  Segura as mãos também deve ser evitado.

Algumas vezes, mudar de ambiente resolve ou ameniza o problema, ao menos momentaneamente. Com o autista mais calmo, é possível tentar novamente abraçá-lo, ou então oferecer algum objeto que ele goste para ajudar a fazer com que a crise passe de vez.

Se a criança tem o hábito de morder-se, uma opção é oferecer algum objeto que ele possa morder sem machucar-se. Dessa forma, ao descarregar a tensão, a crise pode chegar ao fim sem que sua integridade física seja colocada em risco.

Texto escrito por Silvana Schultze, do blog http://www.meunomenai.com