As mulheres chegaram para ficar. Quem afirma é o presidente do Sebrae, Luiz Barretto, tomando por base os resultados do estudo “As mulheres empreendedoras no Brasil”. A pesquisa aponta que, se no inicio da década de 2000 a maioria das mulheres empreendedoras apostava na prestação de serviços, hoje a presença de mulheres donas de seus próprios negócios está crescendo no setor industrial.

O estudo do Sebrae observou ainda que as mulheres empreendedoras apresentam maior grau de escolaridade, têm mais acesso a informações e ousam empreender em atividades antes predominantemente masculinas.“Elas não empreendem apenas para complementar a renda da família ou como passatempo. Abrem empresas por identificar uma demanda de mercado e estão se perpetuando como empresárias de sucesso, sem espaço para amadorismo”, afirma o presidente do Sebrae.

Além do crescimento de mulheres empreendedoras, a pesquisa apontou que seus negócios estão dando certo: em dez anos, a taxa de mulheres donas de negócios que são responsáveis pela maior renda da família subiu de 27% para 37%.

O estudo do Sebrae mostra ainda que as empresas comandadas por mulheres permanecem por mais tempo no mercado, o que é algo extremamente importante diante do número alto de empresas que fecham as portas nos primeiros dois anos de atividade.

Texto escrito por Silvana Schultze, do blog www.meunomenai.com

Fonte:  Revista Exame.