Mulheres empreendedoras são fortemente marcadas pela abertura de suas empresas. Interessados no tema empreendedorismo feminino. “Ser mulher significa não ter opção de não assumir responsabilidades”, afirmou uma das participantes do estudo científico “Mulheres e suas histórias: razão, sensibilidade e subjetividade no empreendedorismo feminino”. A advogada de 44 anos afirma gostar de fazer várias coisas ao mesmo tempo, e vê na atividade empreendedora um canal para sua hiperatividade. É mãe, provedora do lar e empresária bem-sucedida, e tudo isso lhe dá sentimentos de realização e orgulho.

O estudo foi conduzido pelas pesquisadoras Jane Mendes Ferreira e Eloy Eros Silva Nogueira. “Os resultados indicam que a configuração subjetiva do empreendedorismo para as mulheres está apoiada em sentidos subjetivos associados às suas trajetórias, ao contexto atual e à cultura dentro da qual a atividade é desenvolvida”, destacam. “O empreendedorismo, nesta pesquisa, aparece como uma característica individual que começa a ser constituída na infância”.

A advogada entrevistada na pesquisa relata que exercia atividades profissionais desde cedo e não se referiu a nenhum tipo de proibição dos pais. “Ela teve filho fora do casamento, morou sozinha e hoje mantém união estável, coisas que pareciam impensáveis para mulheres da geração de Maria (outra das participantes da pesquisa), que nasceu e foi criada no interior do Paraná”, descreve o estudo.

As pesquisadoras afirma ainda que, apesar de ser um fenômeno criado na cultura, transmitido pelas diversas vias da subjetividade social e, portanto, sofrendo influência do sistema econômico adotado no Brasil, o empreendedorismo aparece como uma característica que é constituída na infância e pertence somente a um indivíduo. “Em outras palavras, apesar de que quando uma empresa é iniciada, em geral isso é feito com empenho de muitas pessoas, o empreendedorismo é visto como ação de um indivíduo que possui características específicas, que acaba por ser considerado o único responsável pelo sucesso nos negócios”, ressaltam.

Texto escrito por Silvana Schultze, do blog www.meunomenai.com

Para conhecer o estudo completo, acesse o link: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-65552013000400002&lng=pt&nrm=iso