Diferenciar quais são os comportamentos aceitos em público e quais devem ser mantidos em particular é algo que aprendemos à medida em que amadurecemos e observamos a reação dos outros e também os exemplos de outras pessoas. No caso de autistas, em que essas habilidades não são totalmente dominadas, é preciso oferecer instruções claras sobre público e particular.

Mais do que ajudar o autista a se encaixar e ser aceito nos grupos, ensinar-lhe que comportamentos são adequados em público é uma forma de protegê-lo contra perseguições (bullying) e até abusos.

O primeiro passo para definir uma estratégia de ensino sobre o assunto para o autista é a família identificar o que ela própria aceita como público e o que prefere que seja mantido em particular. Definidas as normas, todos na casa devem segui-las, para não confundir o autista.

Por exemplo: se foi ensinado ao autista que ele deve ficar sem roupas em seu próprio quarto ou no banheiro de sua casa, os pais devem garantir que os irmãos não fiquem só de cueca ou calcinha assistindo à televisão da sala.

Os pais e cuidadores podem usar ilustrações para ensinar ao autista, mostrando, por exemplo, fotografias do quarto dele, ou do banheiro da casa, colocando ao lado dessas fotografias uma da própria criança. E para mostrar que ele não deve tirar as roupas na escola, pode-se mostrar uma foto da escola com todos os alunos vestidos.

O mesmo pode ser feito para ensiná-lo a identificar as partes de seu próprio corpo nas quais ele não deve tocar na frente de outras pessoas. Assim que a criança já tiver aprendido, é importante continuar usando palavras simples e instruções claras –  ou se preferir, figuras – para lembrá-la do que já foi ensinado.

Texto escrito por Silvana Schultze, do blog www.meunomenai.com