O termo Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) envolve uma série de perturbações do desenvolvimento, caracterizadas por déficits significativos em três domínios fundamentais para o ser humano: social, comunicativo e comportamental. A palavra espectro, nesse caso, indica um conjunto de condições com características semelhantes ao autismo, como a Síndrome de Asperger.

Autismo e Asperger, portanto, são diferentes entre si.  O termo autismo foi usado pela primeira vez na década de 1940, pelo médico austríaco Leo Kanner. Na mesma época, o também médico austríaco Hans Asperger estudou um grupo de adolescentes com as mesmas características descritas por Leo Kanner. O estudo de Asperger destacava que os adolescentes analisados não apresentavam déficit intelectual.

Ainda que as características apontadas pelos dois médicos para descrever portadores de autismo e de Asperger em alguns momentos sejam semelhantes entre si, o grau em que cada uma se manifesta resulta em maior ou menor inclusão da pessoa, influindo ainda na sua qualidade de vida.

Assim, o afastamento social profundo, assim como a ausência de fala e a hipersensbilidade a estímulos sensoriais, marcantes em autistas, podem afetar mais o indivíduo e seus familiares. Por outro lado, algumas características apontadas como próprias dos portadores de Asperger – como falta de empatia, comunicação não-verbal empobrecida e dificuldade de compreender ideias abstratas, por exemplo – podem ser facilmente aceitas pela sociedade como traços da personalidade da pessoa, fazendo com que muitas vezes, e conforme o grau do transtorno, esta pessoa não sofre prejuízos pessoais em resultado da síndrome. Em muitos casos, é possível até que seu comportamento não desperte atenção a ponto de precisar recorrer a especialistas que a dignostiquem.

Características do autismo apontadas pelo médico Leo Kanner:

1)  afastamento social profundo;

2) resistência a mudanças;

3) boa memória para rotinas;

4) expressão inteligente e pensativa;

5) ausência de fala, ou uso da linguagem sem real intenção comunicativa;

6) hipersensibilidade a estímulos sensoriais;

7) habilidade com objetos;

8) linguagem literal, tanto para compreender quanto para expressar-se.

Características da Síndrome de Asperger apontadas pelo médico Hans Asperger:

1) falta de empatia com o outro;

2) interesse por atividades repetitivas;

3) comunicação não-verbal (gestos e expressões faciais) empobrecida;

4) boa memória mecânica (combinação da memória visual com a memória tátil);

5) relacionamentos sociais diferentes dos convencionais;

6) movimentos corporais pouco coordenados;

7) hipersensibilidade à mudança na rotina;

8) dificuldade de compreender ideias abstratas.

Texto escrito por Silvana Schultze, do blog http://www.meunomenai.com