O futuro talvez seja a maior das preocupações para pais e familiares de crianças com transtornos do espectro autista. Crescer, para muitos autistas, nem sempre é acompanhado de amadurecimento, pelo menos não no mesmo ritmo em que seus pais envelhecem. Assim, é normal temer pelo dia em que o filho deverá enfrentar o mundo sozinho.

Alice, mãe do autista Emílio, foi impelida por este medo a matricular o filho em uma escola tradicional, indo contra todos que diziam que Emílio não tinha capacidade para “tanto”, por conta de sua falta de habilidades sociais. Mesmo ciente de que o garoto entraria em contato com colegas que poderiam ser crueis, Alice não desanimou. “Os comentários maldosos e dificuldades que meu ‘pequeno’ enfrentou deixaram-no mais forte, o que me enche de orgulho”, afirma Alice.

Emílio completou os estudos na escola tradicional e está prestes a entrar em uma faculdade de música. Alice gravou um vídeo ao lado do filho, disponível no Youtube, no qual fala sobre a experiência de ser mãe de um autista e dos desafios que Emílio enfrentou ao longo de sua vida acadêmica. Para assistir ao vídeo, acesse: http://www.youtube.com/watch?v=8uanqkyuln0

 

Texto escrito por Silvana Schultze, do blog www.meunomenai.com

Baseado em “Alice e Emílio: encarar de frente, tomar ar e desafiar o autismo” (tradução livre para o português).

Para ler o artigo completo (em espanhol), acesse o link: http://desafiandoalautismo.org/alice-y-emilio-mirar-de-frente-tomar-aire-y-desafiar-al-autismo/