Imagem

Não há dúvidas de que o modelo de emprego estável está mudando rapidamente no mundo todo, inclusive no Brasil. A geração de pais que agora acompanha a entrada ou saída de seus filhos na universidade foi obrigada a rever seus próprios conceitos na hora de orientá-los, pois não basta mais dizer: “Estude o máximo que puder para tirar notas altas e conseguir um bom emprego”.

Mesmo que alguns pais ainda insistam em dizer isso, dificilmente serão ouvidos. A percepção de “bom emprego” para a nova geração é muito diferente da de nossos pais, e certamente não se traduz em “emprego para a vida toda”. Os jovens chegam a ter calafrios diante da perspectiva de envelhecer e se aposentar num único emprego, e a expressão “muito tempo” passou a ser relativa: se para empregadores tradicionais – e mais antigos – “muito tempo” era coisa de décadas, para quem está entrando no mercado de trabalho agora pode significar coisa de meses.

Sim, isso mesmo. Se um jovem percebe, logo nas primeiras semanas – ou dias – que não gosta do trabalho, ele não hesitará em mudar. Salvo, é claro, as situações em que este jovem precisa desesperadamente deste emprego, seja para ajudar a sustentar sua família ou a si próprio. Mesmo estes, entretanto, certamente continuarão acompanhando de perto o mercado, à espera da primeira chance de partir para outra.

E muitas vezes o “partir para outra” resulta em abrir o próprio negócio. Nunca foi tão fácil empreender. Com as novas tecnologias, é possível montar um negócio próprio com custo baixíssimo, sem necessidade de espaço físico que não seja o da própria casa. A lei do Microempreendedor individual (MEI) facilitou o que até então era um dos maiores entraves para quem desejava abrir sua própria empresa – a burocracia – e entidades como o SEBRAE oferecem diversas opções de apoio e estímulo, tanto presencialmente quanto a distância, e gratuitamente.

Empreender, portanto, está deixando de ser uma ação desesperada de quem não encontra seu espaço dentro do mercado de trabalho convencional, para ser uma opção consciente e tranquila de profissionais em busca de realização pessoal, reconhecimento e retorno financeiro.

Silvana Schultze

Editora do blog http://www.meunomenai.wordpress.com