Conduta sexual inapropriada de autistas não é sinal de desvio e pode ser modificada

Imagem

A limitação de conhecimento sobre o autismo pode resultar na confusão de simples expressão de sexualidade com desvios de conduta, colocando em risco a integração da criança, adolescente ou adulto com autismo. “As pessoas com autismo correm grande risco de consequências negativas e castigos que incluem perda de privilégios como andar de transporte público ou mesmo um trabalho”, aponta o estudo “Comportamentos sexuais no autismo: problemas de definição e gerenciamento” (no original: “Sexual Behaviors in Autism: Problems of Definition and Management”).

Os autores ressaltam as dificuldades que as condutas sexuais de pessoas com autismo podem trazer para seus pais. Existem hipóteses sobre a exibição pública da conduta sexual do autista, e alguns especialistas apontam que a masturbação persistente de alguns autistas pode ser reforçada como opção para liberar sua tensão sexual. “Os comportamentos socialmente inaceitáveis podem estar relacionados às caracerísticas do autismo”, alertam.

Antes de se pensar em castigos ou reprimendas, portanto, é importante lembrar que autistas apresentam consciência social alterada, assim como a noção de reciprocidade. Esses elementos são essenciais para o processo de aprendizagem e compreensão da interação sexual apropriada. De acordo com o estudo, a dificuldade para aprender os comportamentos sociais de uma maneira estruturada confundem o desenvolvimento sexual do autista e contribuem para as chamadas condutas inadequadas. Autistas, ressaltam os autores, não reconhecem facilmente sinais afetivos sutis, e têm dificuldades em reconhecer outros pontos de vistas.

Os autores destacam as condutas sexuais inadequadas mais comuns em pessoas com autismo: tirar a roupa em público, masturbação em público e tocar suas partes íntimas em público, além de debater determinados temas de cunho sexual. Com o aumento da socialização, é possível ensinar-lhes a ser discretos e seletivos. “Desde 1970, os tratamentos enfocam a repressão da conduta inadequada e o reforço de um comportamento alternativo”, aponta o estudo, que questiona ainda a efetividade das chamadas terapias de aversão, assim como o tratamento hormonal, devido aos possíveis efeitos secundários.

Fonte: Journal of Autism and Developmental Disorders.

One thought on “Conduta sexual inapropriada de autistas não é sinal de desvio e pode ser modificada

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s