Imagem

A educação a distância, apesar de ser vista por muitos como de baixa qualidade ou mesmo de segunda categoria, representa uma possibilidade para formação continuada de professores, que entre outras vantagens, aprendem a incluir o lúdico no processo de ensino e aprendizagem.

Os pesquisadores Lívia Raposo Bardy, Maria Cristina Piumbato Innocentini Hayashi, Elisa Tomoe Moriya Schllünzen e Manoel Osmar Seabra Júnior, autores do estudo “Objetos de Aprendizagem como recurso pedagógico em contextos inclusivos: subsídios para a formação de professores a distância”, analisaram vivências dos participantes, tutores e formadores de um curso a distância sobre Tecnologia Assistiva do Ministério da Educação (MEC).

Oferecido para professores das redes públicas de ensino do país por meio dos registros de atividades em um Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA), denominado TelEduc, o curso serviu de base para a pesquisa, que analisou os relatórios das turmas participantes do curso a partir de três critérios: interatividade e feedback da equipe formadora do curso; aplicabilidade do conteúdo abordado no curso e novas aprendizagens.

Objetos de aprendizagem são recursos digitais, reutilizáveis, que permitem o ensino por meio de computadores e da internet. O estudo destaca a possibilidade de interação que tais recursos oferecem a alunos com deficiência. “Em relação ao processo de formação de professores na modalidade a distância o curso contribuiu para a concretização de uma formação sólida e eficiente dos participantes ao propiciar: a aproximação com o mundo tecnológico; a possibilidade de inserção das tecnologias em sala de aula; a realização de estudos teóricos e práticos; a valorização da diversidade e do potencial de todos os estudantes; inovações nas estratégias e recursos pedagógicos e reflexão na ação”, destacam.

Os pesquisadores observaram ainda que o professor, quando em sua formação é levado a ser ativo e reflexivo no seu campo de atuação, poderá também oferecer a seus discentes situações semelhantes, que os levem a serem autores na construção de seus conhecimentos. “Vimos ao longo da pesquisa que as TIC e em especial os OA, subsidiados pelo uso do computador, podem ser adaptados aos diferentes estilos de aprendizagem, aos diferentes níveis de capacidade e interesse intelectual, às diferentes situações de ensino e aprendizagem, inclusive dando margem à criação de novas abordagens de ensino, inclusive como recurso pedagógico na EaD”.

Fonte: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-65382013000200010&lng=pt&nrm=iso