O papel das redes sociais no combate ao racismo no Brasil

Imagem

Consciência da opressão histórico-política, orgulho do pertencimento a uma comunidade e sofrimento pelo preconceito foram os elementos que prevaleceram na fala dos membros da comunidade do Orkut intitulada Negros.

Criada em 2004, a comunidade foi objeto da dissertação de mestrado da pesquisadora Melissa Maria de Freitas Andrade, na Faculdade de Educação da USP. Com o objetivo de contribuição na identificação do papel das redes socais na construção de conhecimentos e ao desenvolvimento de iniciativas destinadas a combater o racismo no Brasil, a pesquisadora analisou os discursos sobre identidade negra em dois tópicos do fórum da comunidade voltados especificamente para a autodeclaração racial.

Segundo Melissa Maria de Freitas Andrade, a análise dos dados coletados mostrou que os discursos de identidade negra são construídos de modos diferenciados, mesmo que a comunidade invoque certa homogeneidade. “Além disso, foi possível constatar que as possibilidades de socialização da comunidade potencializam a construção coletiva de conhecimentos relativos à identidade do grupo”, ressalta.

Fonte: Universidade de São Paulo.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s