Imagem

Os fatores que interferem na satisfação e na insatisfação do trabalho de enfermeiros podem agir tanto isoladamente quanto em conjunto, e é imprescindível que gerentes de Recursos Humanos estejam capacitados para tomar decisões assertivas em relação a eles.

Essa é a conclusão da pesquisadora Isabela Saura Sartoreto em sua pesquisa “Satisfação e insatisfação no trabalho do enfermeiro: revisão integrativa da literatura”, apresentada para defesa de mestrado na Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo (USP).

Com base na teoria de que os graus de satisfação e de insatisfação no trabalho é um elemento essencial no gerenciamento de recursos humanos, a pesquisadora avaliou a produção científica sobre o assunto, disponíveis na Biblioteca Virtual em Saúde e nas bases de dados Cumulative Index to Nursing and Allied Health Literature e PeriEnf.

A pesquisa foi quantitativa, caracterizando os 26 estudos analisados e verificando as técnicas utilizadas neles para mensuração da (in)satisfação. Num segundo momento, a pesquisadora analisou os trabalhos quantitativamente, observando duas categorias analíticas – Satisfação no trabalho do enfermeiro e Insatisfação no Trabalho do enfermeiro – e duas categorias empíricas – Organização e dinâmica do trabalho e Gerenciamento de Recursos Humanos.

Fonte: Universidade de São Paulo.