Imagem

As mulheres ainda são minoria nas carreiras da áreas de ciências e engenharias. Foi-se o tempo em que as alunas de uma sala de graduação em engenharia, por exemplo, eram facilmente contadas nos dedos de uma das mãos, mas os homens continuam em maior número.

A boa notícia – sempre existe uma – é que o número de mulheres em salas de aula de cursos das áreas de ciência e engenharias cresce a cada ano, assim como o número de profissionais mulheres destas áreas em empresas pequenas e grandes, nacionais e multinacionais.

Esse crescimento certamente já foi notado pela professora da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (EPUSP), Roseli de Deus Lopes. Com graduação, mestrado, doutorado e livre-docência em Engenharia Elétrica pela Escola Politécnica, Roseli de Deus Lopes é pesquisadora do Laboratório de Sistemas Integráveis da EPUSP, onde é líder do Grupo de Pesquisa em Meios Eletrônicos Interativos e criou, em 2003, a Feira Brasileira de Ciências e Engenharia (FEBRACE), evento anual promovido na USP voltado à identificação e desenvolvimento de talentos, e que realizou em 2013 sua décima-primeira edição.

Entre inúmeras outras atividades e projetos de incentivo à divulgação científica e ao desenvolvimento de talentos, a professora foi mediadora, na USP, do fórum internacional Mulheres em Ciências e Engenharia – Hoje e Amanhã. Com a presença de profissionais mulheres da Boeing, Embraer e GE, além de professora-titular do Departamento de Engenharia Hidráulica e Sanitária da Escola Politécnica da USP, o grupo debateu o mercado de trabalho para mulheres no Brasil e nos Estados Unidos.

Entre as dificuldades, desafios e conquistas mencionadas, as profissionais foram unânimes em reconhecer que as mulheres avançam a passos largos nas carreiras das áreas de ciências e engenharias. Gostem ou não, os profissionais estão a cada dia mais habituados com a presença delas, inclusive em cargos de chefia. Donna Hrinak, presidente da Boeing no Brasil, foi categórica ao resumir: “O mundo vive hoje um bom momento para mulheres profissionais”.

Mais informações sobre a FEBRACE em http://www.febrace.org.br