Câncer de mama e informação

Resultado de imagem para breast cancer

Embora o aumento da pesquisa se centre em exames de câncer de mama, pouco se sabe sobre a prevenção do câncer de mama com consciência de redução de risco para diferenças étnicas entre mulheres na faculdade. O estudo “Conhecimento, crenças e fontes de informação de mulheres não-hispânicas e hispânicas na prevenção de câncer de mama para foco na redução de risco” examinou o conhecimento, as crenças e as fontes de informação de câncer de mama entre mulheres não-hispânicas e hispânicas.

As fontes de informação mais comuns relatadas pelas participantes foram Internet (75%), revistas (69%), provedor (76%) e amigos (61%). Menos fontes comuns foram rádio (44%), jornais (34%) e mães (36%). As mulheres universitárias não-hispânicas com história familiar de câncer de mama tinham maior probabilidade de receber informações de provedores, amigos e mães. Aquelas com história de câncer de mama foram mais propensas a receber informações de suas mães. A educação para a prevenção do câncer de mama para as mulheres da faculdade é necessária para incluir a redução de risco para mudanças de comportamento de saúde modificáveis ​​como um novo foco. Os profissionais de saúde podem se dirigir a mulheres da faculdade com mais fontes de informação, incluindo Internet ou aplicativos, conclui o estudo.

Texto de Silvana Schultze, para o blog Meunomenai. Permitida a reprodução desde que citada a fonte.

Para conhecer o estudo, acesse o link: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24989348

Conexões mexicanas de Fréderic Martel

Resultado de imagem para digital méxico

Frédéric Martel também percorreu o México para escrever Smart: o que você não sabe sobre a internet. No país, a questão fundamental da internet local encontrada por Martel está relacionada à mobilidade. A relação percebida por ele entre telefones móveis e aspectos sociais, sobretudo os da classe média, levaram o autor a declarar: o futuro das tecnologias é móvel, e pode ser vislumbrado nos impressionantes números de pessoas que já fazem parte ou estão para se juntar à chamada classe média, em países, como Brasil, China, México, Colômbia, Turquia, Egito e Indonésia. Espera-se, para 2025, que uma parte considerável das mais de seis bilhões de pessoas estimadas para estarem conectadas à internet o faça por redes sem fio (p. 81).

No escritório da sede de um império constituído em três décadas, o autor encontra-se com o primogênito do fundador desse império e seu atual comandante. Sob olhares inquisidores de guarda-costas bem-armados, Martel ouviu de seu interlocutor: “A questão não é mais saber como vamos conectar todo o mundo” (p. 73). Carlos Slim Jr. prossegue com a confiança do representante de um grupo de telecomunicações mundialmente poderoso: “Isso a gente sabe fazer muito bem”. A questão agora, resume Slim Jr., é saber o que fazer, em termos de conteúdos e liberdades, quando todos estiverem conectados.

A segurança reforçada do empresário é justificada tanto pelo histórico do México – “o país é conhecido por seqüestros de políticos e assassinatos de personalidades pelos narcotraficantes” (p. 73) – quanto pelas ameaças que rondam a família Slim, no mundo real (em 1994, um dos membros foi seqüestrado) e no virtual. Martel encontrou-se com um dos representantes das ameaças virtuais. Aos 28 anos, o jovem não hesita em atribuir a Carlos Slim a culpa pelo alto preço das comunicações móveis e pela lentidão no acesso à internet. Funcionário de uma organização não-governamental britânica que defende a liberdade de expressão na internet, Antonio Martínez Velázquez define-se como um “IP lawyer”, um advogado pró-internet, e é categórico: “O que se quer dele (referindo-se a Carlos Slim Jr.) é que dê um jeito para que tenhamos acesso à internet de banda larga”.

Com 120 milhões de habitantes, o México conta com apenas 10% de sua população com acesso à internet residencial, embora 88% tenham telefone celular (p. 73). “Estamos precisando mudar a marcha”, afirmou ao autor Alejandra Lagunes Souto Ruiz, a assessora especial para o mundo digital da presidência da República. “Estou concentrada atualmente em open data, inovação, cloud, mas na realidade temos uma única prioridade: conectar o país”, continuou a assessora, explicando que a estratégia do governo mexicano é apostar na classe média para então tirar as classes populares e todo o país da pobreza.  “E a internet vai nos ajudar a avançar”.

Martel mostra-se cético diante de tanto otimismo, apoiado no que chama de paradoxo mexicano: por um lado, um país jovem, urbanizado, dinâmico e em forte processo de crescimento, e por outro, “ressecado pela corrupção, os monopólios, os narcotraficantes” (p. 75). A assessora, entretanto, não se rendeu. “A tecnologia digital pode ressecar a corrupção”, afirmou ela.

Texto escrito por Silvana Schultze para o blog Meunomenai. Permitida a reprodução desde que citada a fonte.

 

Cultura, de produto a serviço

Resultado de imagem para culture

Doutor e mestre em Ciências Sociais, além de mestre em Ciência Política, Direito Público e Filosofia, Frédéric Martel atuou em jornais e revistas, foi professor visitante nas universidades de Harvard e de Nova Iorque, além de ter lecionado no Instituto de Estudos Políticos de Paris (Sciences Po).

Autor do livro Smart: o que você não sabe sobre a internet, Martel defende em sua obra que a cultura, que era um produto cultural, está se transformando em serviço. Nesse cenário, surgem o que o autor chama de “pequenos militantes da recomendação” (p. 319) – pessoas que, confiantes em seu próprio senso estético e capacidade de discernimento, assumem-se como responsáveis pela disseminação de suas opiniões.

O capítulo proporciona ao leitor uma das percepções mais claras da visão que o autor tem sobre a arena em que se transformou a internet. Da diversidade de entrevistados selecionados à leveza com que apresenta seus discursos, Martel é especialmente feliz na sua abordagem dos progressos da algoritmia, apontado o que ele considera o risco de, ao fornecer-lhe apenas o que ele já consome, enfeixar o usuário numa bolha, fortalecendo o vínculo com uma comunidade à qual este já usuário já pertence – e deixando de estimulá-lo a ampliar seus horizontes (p. 321). Diante desse risco e de outros desdobramentos que a oferta de cultura como serviço acarreta, um dos caminhos pelos quais a leitura pode ser conduzida leva à cena cibercultural contemporânea, explorada por teóricos diversos.

Texto escrito por Silvana Schultze, do blog Meunomenai. Permitida a reprodução desde que citada a fonte.

China digital, Smart e Alibaba

Resultado de imagem para digital china

A China Digital é uma das etapas que o pesquisador Frédéric Martel percorreu para escrever seu livro Smart: o que você não sabe sobre a internet. Para compreender o fenômeno do Alibaba, símbolo da web chinesa fundada em 1999 por Ma Yun, especialista em artes marciais e professor de inglês que ficou bilionário. “A imagem seria quase perfeita, e a história, uma notável sucess history, se o Alibaba não fosse um clone”, afirma Martel, referindo-se à mistura de negócios incorporada pelo site chinês conhecido como “o maior bazar do mundo” (p. 42). Mistura de Amazon, eBay e PayPal, o Alibaba ultrapassa em volume de negócios as três plataformas que lhe serviram de inspiração juntas, tornando-se um império que em 2014 passou a ser cotado na bolsa de Nova Iorque, “numa operação financeira que foi ao mesmo tempo a maior estréia de uma empresa tecnológica na história e o valor mais alto alcançado por uma empresa chinesa” (p. 42).

Para Martel, as cópias são a solução inventada pela China para resolver, simultaneamente, problemas existenciais e de criatividade. “Visitando a maioria dessas cópias numa dezena de grandes cidades chinesas, assim como suas filiais em Hong Kong, Cingapura e Taiwan, entendi que os chineses queriam ter acesso aos mesmos sites e serviços que os americanos, sem por isso depender deles” (p. 43). Por trás desse panorama, as instituições de ensino chinesas assumem um papel distinto da estimulação à inovação encontrada em Stanford, por exemplo. Wang Dan, presidente da New School for Democracy e célebre ciberdissidente chinês exilado em Taipé, onde está instalada a Universidade de Taiwan – palco do encontro assistido pelo autor do livro – acredita que a internet é uma ferramenta que contribui para o surgimento de uma sociedade civil na China. “Quando alguém participa das versões asiáticas do The Voice e vota por SMS num ídolo da televisão, está aprendendo a dar sua opinião”, defende Wang (p. 58).

 

Design Thinking: metodologia, ferramentas e reflexões

Resultado de imagem para design thinking

Equilíbrio entre o raciocínio associativo, que alavanca a inovação, e o pensamento analítico, que reduz os riscos. Assim é apresentada a proposta do design thinking no livro “Design thinking & thinking design – metodologia, ferramentas e reflexões sobre o tema”, de Adriana Melo e Ricardo Abelheira. A obra apresenta as raízes do design no mundo, e descreve como surgiu o design thinking. “As ferramentas de ideação disponíveis na literatura são muitas”, afirmam os autores. “O tipo de desafio (gráfico, produto, comunicação, interface, experiência navegação, serviço…) vai naturalmente apontar apontar qual técnica de ideação aplicar”.

O livro destaca algumas diferenças do mundo corporativo na atualidade: “antes as empresas agiam reativamente aos cenários e eram avessas ao risco. Hoje precisam de intraempreendedores que antecipem necessidades ou oportunidades”. Apresentando resultados de pesquisas e paradigmas gestacionais de algumas empresas, os autores questionam: “Qual é o conjunto de conhecimentos necessários para o novo mundo?”.

Os autores também apresentam técnicas para “vender”  o design thinking para equipes, e ressaltam: “O empresário está realmente interessado no resultado que os investimentos em design podem gerar e descobrir de que forma a aplicação do design thinking vai canalizar a inovação, aumentando a competitividade”.

Texto escrito por Silvana Schultze para o blog Meunomenai. Permitida a reprodução desde que citada a fonte.

Teorias do trauma e literatura em saúde

As teorias do trauma histórico aparecem cada vez mais na literatura sobre saúde individual e comunitária, especialmente em relação às populações minoritárias raciais e étnicas e grupos que apresentam disparidades significativas em saúde. Como conseqüência desse rápido crescimento, a literatura sobre trauma histórico compreende abordagens de terminologia e pesquisa diferentes.

Resultado de imagem para historical trauma

O artigo “Trauma histórico como narrativa pública: uma revisão conceitual de como a história afeta a saúde atual”, uma revisão crítica, integra essa literatura para especificar mecanismos teóricos que explicam como o trauma histórico influencia a saúde de indivíduos e comunidades. “Argumentamos que o trauma histórico funciona como uma narrativa pública para grupos ou comunidades particulares que conectam experiências e circunstâncias atuais com o trauma para influenciar a saúde”, descreve N. V. Mohatt, um dos autores do estudo. “Tratar o trauma histórico como uma narrativa pública desloca o discurso de pesquisa longe de uma busca exclusiva de variáveis ​​causais passadas que influenciam a saúde para identificar como as experiências atuais, suas narrativas correspondentes e seus impactos na saúde estão conectados a narrativas públicas de trauma histórico para um particular grupo ou comunidade”.

O artigo também discute como a conexão entre trauma histórico e experiências atuais, narrativas relacionadas e impactos na saúde pode funcionar como fonte de sofrimento atual e resiliência.

Para conhecer o estudo, acesse o link: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24561774

Texto escrito por Silvana Schultze, para o blog Meunomenai. Permitida a reprodução desde que citada a fonte.